terça-feira, dezembro 14, 2010

Mais um ano que passou...

Olá! Nunca fui de grandes comemorações pelo meu aniversário, não gosto que me cantem os parabéns (herdei isso do meu pai e não consigo conter as lágrimas, nunca entendi muito bem porquê...)
No dia de ontem (digo ontem pois já passa da meia-noite), foi um dia como muitos outros dias... de trabalho, de rotina, a única quebra de rotina foi que tivemos algumas pessoas cá em casa...
Mas não estou aqui para falar disso, estou aqui para falar das mensagens que recebi, das mensagens que recebi no FCB, mais uma vez obrigado a todos os que se lembraram de mim.
Mas este post é para falar de um mail que recebi de uma querida amiga e que me tocou imenso.
Catarina, as nossas vidas já deram muitas voltas, já nos acompanhamos uma à outra em muitas alturas das nossas vidas. Partilhamos alegrias, tristezas, ilusões, sonhos, angústias, partilhamos amizade. Apesar de estarmos longe uma da outra, a nossa história de vida já dava bem para contar um livro (não querendo ser imodesta, mas dava mesmo). Por isso e porque fiquei muito tocada com a tua mensagem no telemóvel e com o teu email, resolvi partilhá-lo aqui e no FCB, pois achei-o deveras lindo...

"Aprendi que se aprende errando;
Que crescer não significa fazer aniversário;
Que o silencio às vezes é a melhor resposta;
Que amigos conquistamos sendo nós mesmos;
Que os verdadeiros amigos estão connosco até ao fim;
Que não se espera a felicidade chegar, temos que a procurar;
Que quando penso saber tudo, ainda não aprendi nada;
Que a natureza é uma das coisas mais perfeitas na vida;
Que amar significa se dar por inteiro;
Que apenas um dia pode ser mais importante do que muitos anos;
Que se pode conversar com as estrelas;
Que se pode confessar com a lua;
Que se pode viajar além do infinito;
Que sonhar é preciso e procurar realizar esses sonhos é ainda mais necessário;
Que se deve ser criança a vida toda".
Que nosso ser é livre !!!
Que Deus não proíbe nada em nome do amor;
Que o julgamento alheio não é importante;
Que o que realmente importa é a paz interior".

Muitos beijinhos e obrigado por acompanhares a minha vida e obrigado por deixares-me acompanhar a tua...
Sandra C.

terça-feira, setembro 21, 2010

O valor das coisas...

Ontem, ao navegar por entre muitas centenas de aplicações que o Facebook tem, deparei-me com uma em que palavras escritas por Fernando Pessoa te podiam definir, a frase que me calhou foi então:

"O valor das coisas não esta no tempo que elas duram, mas na intensidade com que acontecem...Por isso, existem momentos inesqueciveis,coisas inexplicáveis e
pessoas incomparaveis...."
Desde logo achei que esta frase realmente tem a ver comigo, pois feliz ou infelizmente, sou bastante agarrada a recordações, a momentos que já passaram ao longo desta minha vida.
Já conheci muitas pessoas, desde colegas de escola, que ainda hoje mantenho essa amizade, colegas de trabalho, com quem ainda hoje troco mensagens (o Facebook é perfeito para esse tipo de "encontros"), pessoas que por um motivo ou outro passaram pela minha vida e que me deixaram uma marca, ficaram guardados num cantinho especial no meu coração.
Pronto... podem dizer que estou a ficar lamechas, é verdade... a idade dá-nos para isto (quem ler isto vai pensar que já tenho 50 anos, lololol,), mas acho que é importante dizer que numa "era" em que as amizades virtuais superam tudo, é bom de vez em quando recordar-nos de quem por algum motivo já passou pela nossa vida e nos deixou uma marca!
Este post é dedicado precisamente a essas pessoas, obrigado por existirem, por algum dia terem deixado em mim, a vossa "impressão digital".
A nossa vida é feita de muitas coisas, algumas más, e outras boas, que se tornam ainda melhores, quando passado alguns anos fazemos um "rewind" e nos lembramos de algo que por mais pequeno que tenha sido nos marcou ao ponto de nos lembrarmo-nos desse momento.

Jokas a todos
Sandra C.

segunda-feira, julho 26, 2010

As mãos do meu avô!

No dia de ontem comemorou-se o Dia Internacional dos Avós, eu já não tenho nenhum dos meus avós comigo, no entanto hoje e sempre, recordei-me não de todos, mas sim daquele que não sendo meu verdadeiro avô, o foi no total sentido que essa palavra pode ter.
Recordo-me de muitas coisas, das boas e de algumas más, mas as boas superam alguns erros (quem não os comete), próprios de uma alma solitária.
Recordo-me da sua voz, do seu sorriso, da sua maneira como tratava os animais e a terra por tu.
E recordo-me (essa é a talvez a memória mais presente), das suas mãos compridas, mãos árduas de trabalho, mas sempre prontas a estender a mão...
São essas mãos que em sonhos me aparecem, quando tenho algo que me apoquenta e são essas mãos que nesses sonhos seguram as minhas dando-me coragem...
Obrigado avô, por teres feito de mim um pouco do que sou hoje!
E já agora continua aparecer-me em sonhos, pois onde quer que estejas trazes-me a paz que conseguiste alcançar.

Sandra C.

sábado, julho 03, 2010

Ser feliz!


Hoje no noticiário deparei-me com uma reportagem, em que se falava de ser feliz... do que representava ser feliz e o que se fazia para ser feliz...
Na minha opinião, isso depende muito de pessoa para pessoa. Cada qual tem os seus objectivos na vida, cada qual define as suas metas, cada um sabe o que o preenche.
A mim existe várias coisas que me deixam feliz, com o passar dos anos essas coisas vão mudando, consoante a nossa idade, mediante a etapa que a nossa vida passa, etc...
Quando era mais pequena, as coisas que me deixavam feliz era:
- Esperar que o meu pai chegasse de mota, eu ia a correr mais de cem mtrs só para poder vir aqueles 100 mtrs a andar de mota!
- Quando ao domingo nós íamos almoçar ao meu avô e eu tinha a liberdade completa, para mexer nos cães, gatos, coelhos, galinhas, etc...
- Comer os meus pratos favoritos que eram bife com batatas fritas, empadão de arroz com carne e frango assado no forno com puré.
- Quando me ofereciam umas coisas que eu chamava de "Volvitas", não era mais do que aperitivos de queijo.
- Quando a minha madrinha me trazia um "russo" e eu tirava fora o chantily todo, só para comer o folhado (ainda hoje faço o mesmo com os milfolhas)
- Quando nos domingos que o meu pai ia para a caça, eu saia com a minha mãe e íamos passear...
- Quando chegava a véspera de Natal e tínhamos sempre aquela montanha de doces para fazer...
- Quando brincava na rua e tão depressa as brincadeiras eram as típicas das meninas, como logo a seguir brincava com os rapazes!
- Quando cantava em frente ao espelho...

Na minha adolescência, as coisas aos poucos ficaram um bocadinho diferentes:
- Ficava feliz quando ia para Tomar nas férias e/ou feriados e estava com os "primos" emprestados...
- Quando ia para o rio e passávamos grandes tardes na água e a pescar...
- Quando íamos apanhar amoras e à "xinxada" de uvas e figos (no verão) e de abóboras (no outono)
- Quando fazíamos os "espectáculos" de fim de férias.
- Quando dava na rádio algumas músicas especiais.
- Quando conseguia fazer uma amizade verdadeira (nesta fase da adolescência, fazer as ditas amizades verdadeiras, foi difícil, mas ainda guardo algumas...)
- Quando ia para os treinos do Judo...
- Quando escrevia textos giros (alguns até estapafúrdios...)

No inicio da vida adulta, ficava feliz com:
- Quando ia para os ensaios de dança e descobria passos novos
- Quando conseguia inventar novas coreografias e ultrapassar obstáculos
- Quando os saraus de dança corriam bem
- Quando os ensaios de teatro corriam bem
- Quando as peças eram um sucesso
- Quando conseguia ter uma conversa séria com um amigo (digo séria, porque naquela altura, o pessoal não queria mesmo saber de assuntos sérios, era só mesmo "cortir")
- Quando saia para passear, nem que fosse no jardim mais próximo.

Nos dias que correm fico feliz quando:
- Vejo o sorriso lindo do meu filho.
- Ele brinca e dá aquelas gargalhadas contagiantes...
- Quando ele estica os braços e me dá o que cá em casa chamamos de "chichões"
- Recebo um beijos e carinhos do maridão!
- Reconhecem o meu trabalho
- Quando vou ver um filme (o que não fazemos à muito tempo...) e o mesmo me deixa emocionada.
- Quando vou ver uma peça de Teatro e no fim sinto-me "cheia" de um não sei quê muito bom...
- Quando oiço uma música que me toca.
- Quando pinto e faço as minhas coisinhas artesanais...
- Quando consigo encontrar pessoas que já não vejo à muito tempo.
- Quando tenho sonhos bons...


E principalmente sou feliz, quando acordo todos os dias e tenho mais um dia pela frente, ainda que ele seja duro, stressante, muitas vezes frustrante. Mas tenho esse dia pela frente!
E você, já pensou no que o/a faz realmente feliz?

"A felicidade continua a exigir de nós comportamentos que não são compatíveis com a facilidade. Não nos tornamos felizes carregando num botão. É preciso subir montanhas, insistir em esforços prolongados; acreditar, até ao heroísmo, na lentidão. Por vezes, reunimos todas as forças e não sabemos se aguentamos até ao fim do dia.
(Paulo Geraldo)"
Um bom fim-de-semana a todos
Jokinhas
Sandra C.

quarta-feira, junho 09, 2010

10 de Junho...

Junho... já passou meio ano sobre o ano de 2010. O tempo voa!
Hoje comemora-se mais um feriado, para muitos não passa disso mesmo, de mais um feriado, de mais uma dia para o relax, para fazer gazeta, mas o dia de hoje, para quem não se lembre, é o dia de Portugal. A maioria de nós já nem dá conta disso, mas muitos portugueses, aqueles que estão longe do seu cantinho, lembram-se bem deste dia!
Sabem a origem deste feriado? Então aqui fica...
O dia 10 de Junho, não é só o dia de Portugal, é também o dia de Camões e das comunidades portuguesas.
Quanto ao dia de Camões, ele é comemorado, pois Luís de Camões terá morrido neste dia no ano de 1580.
Quanto à comemoração do dia 10 de Junho, este dia passou a ser comemorado como feriado, após este dia ter sido decretado no dia 12 de Outubro de 1910 como tal, em trabalhos legislativos após a proclamação da república. Este feriado passou a ser comemorado de uma maneira mais importante, durante o Estado Novo este dia era então o "dia de Camões, de Portugal e da Raça".
Com a revolução de Abril, este feriado passou a ser então, o dia em que se comemora o dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.
Não vou deixar aqui um vídeo da "Portuguesa", mas sim de uma outra música que gosto muito e também fala sobre Portugal, na voz de Dulce Pontes...

Cumprimentos a todos e um bom feriado.
Sandra C.

quinta-feira, maio 13, 2010

Dia da Espiga

Hoje é dia da Espiga! Quase ninguém já festeja este dia, no entanto eu tenho recordações muito boas deste dia. Recordo-me a altura da escola primária, onde este dia era festejado com passeios aos moinhos e vento (em ruínas, será que hoje ainda existem?), para apanhar, papoilas, espigas (que não as de trigo), brincar, correr, jogar ao lenço... tantas coisas boas, que os míudos de hoje não sabem o que são...
O dia da Espiga é um dia que se festeja há muitos anos, celebra-se na Quinta-feira da Ascensão. Existia uma antiga expressão “no Dia da Ascensão nem os passarinhos bolem nos ninhos”.
Este dia era repleto de cerimónias sagradas e profanas,esse dia, chamava-se o "dia da hora" e era considerado "o dia mais santo do ano", um dia em que não se devia trabalhar. Era chamado dessa forma, porque havia uma hora, o meio-dia, em que em que tudo parava, "as águas dos ribeiros não correm, o leite não coalha, o pão não leveda e as folhas se cruzam", era nessa hora que a "espiga" devia ser apanhada. Neste dia realizava-se por todo o mundo mediterrâneo, grandiosos festivais onde se cantava e dançava em honra à Primavera e se consagrava a natureza.
Quando se dava importância a este dia, dava-se um passeio matinal, em que se colhia espigas de vários cereais, flores campestres (principalmente papoilas e malmequeres) e raminhos de oliveira para formar um ramo, a que se chama de espiga. A tradição diz que o ramo deve ser colocado por detrás da porta de entrada, e só deve ser substituído por um novo no dia da espiga do ano seguinte.
O ramo da espiga tem então este significado:

Espiga – pão
Malmequer – ouro e prata
Papoila – amor e vida
Oliveira – azeite e paz
Videira – vinho e alegria
Alecrim – saúde e força

Não consegui encontrar nenhum vídeo com esta música, mas encontrei a letra da música que tem como título, precisamente

Dia da Espiga

"Ói! Óai!
Esta vida é uma cantiga
Este dia de alegria
Vale um ano de aflição

Ói! Óai!
Porque é o dia da Espiga
É o arauto do dia
Em que o trigo há-de dar pão

Maria! São teus olhos azeitonas
Cachopa! São teus lábios qual cerejas
E os teus seios cachos de uvas que abandonas
À vindima desta boca que os deseja

Jorra o vinho dos pinchéis
Para os lábios das moçoilas
Mais vermelhas que papoilas
Das larachas dos Manéis

E há merendas pelos prados
Gargalhadas pelo ar
E à beirinha dos valados
Ouve a gente murmurar. "

Aqui fica então a recordação deste dia...
Cumprimentos a todos.
Sandra C.

segunda-feira, março 08, 2010

Ser Mulher é...

Image in http://pralemdalinhavermelha.blogspot.com/

Ser Mulher… é ser justa.
Ser Mulher… é ter respeito por si própria.
Ser Mulher… é ser mais, é entregar-se de corpo e alma à vida que nos chama.
Ser Mulher… é lutar contra as injustiças e armarmo-nos de palavras que combatam as ignorâncias,
Ser Mulher… é não acreditar nas dúvidas e procurar as certezas.
Ser Mulher… é ultrapassar as dificuldades, sempre com um sorriso na boca.
Ser Mulher… é ter capacidade de estender a mão quando alguém precisa dela.
Ser Mulher… é saber sonhar mesmo quando nos tentam roubar o arco-íris..

Ser Mulher… é isto e muito mais, é ser o que cada uma de nós sabe e quer ser no seu dia-a-dia…
Mulher, mãe, amante, namorada, trabalhadora ou estudante… Ser Mulher!
Jokas e uma boa semana...
Sandra C.

sexta-feira, março 05, 2010

Chuva... Rain...

Image in http://nightmarebeforedream.blogspot.com/
Hoje sinto-me cansada, apesar de ser sexta-feira, este tempo já começa a mexer cá com os meus "neúrónios", aliás... acho que com os "neurónios" de toda a gente.
Agora que o Vicente adormeceu por um bocadinho, resolvi fazer uma pesquisa no You Tube pela palavra Rain . O resultado é fantástico... montes de vídeos a ver com o tema.
Procurei também uma canção que ouvia quando era mais miuda "Chuva, chuva, chuvinha" da Linda de Suza e consegui encontrar.
Só mesmo estas pequenas coisinhas para conseguir animar... esta chuva e mau tempo já enjoa!!





Gosto muito desta música...



November Rain (by Guns n'Roses and Elton Jonh)



... and just to remember...
(não dá para por o
vídeo)

I´m singin´ in the rain

Du Du Du Du Du Du Du Du Du
Du Du Du Du Du Du Du Du Du

I´m singin´ in the rain
Just singin´ in the rain,
What a glorious feeling,
And I´m happy again.
I´m laughing at clouds
So dark, up above,
The sun´s in my heart
And I´m ready for love.

Let the stormy clouds chase.
Everyone from the place,
Come on with the rain
I have a smile on my face.
I´ll walk down the lane
With a happy refrain
Just singin', singin' in the rain.

Dancing in the rain.

I'm happy again.

I'm singin' and dancin' in the rain.

Dancin' and singin' in the rain
Jokas a todos e bom fim-de-semana.
Sandra C.

terça-feira, fevereiro 23, 2010

Andorinhas...

Olá! Apesar de estar um mau tempo terrivel que já cansa, já existe uma pontinha de Primavera à espreita, digo isto porque ontem dei-me conta das andorinhas a voar perto do meu trabalho.
Acho-as lindas, fantásticas!
Aqui fica uma imagem que encontrei no blog http://belos-passaros.blogspot.com/

Jokinhas a todos
Sandra C.

A praia da saudade

Olá a todos, antes de mais peço desculpa, por já aqui não vir à mais de dois meses.
Desejo antes de mais um bom ano a todos os que me visitam neste cantinho!
Hoje quero vos falar do livro que acabei de ler ontem, chama-se "A praia da saudade", foi escrito por Francisco Salgueiro e deixem que vos diga, muito bem escrito.
A história é simples, conta a história de um jovem que se transforma num homem amargurado, pois foi-lhe retirado a sua principal razão de viver... a mulher que ama.
Esta história é passada entre os conturbados anos do Estado Novo e seus acompanhantes (ou seja, PIDE, Guerra Colonial, Repressão Social, entre outros) e os dias de hoje...
Não querendo contar a história toda porque se não perdia a piada, posso-vos dizer que foi um livro que me tocou, principalmente nos últimos capítulos.
Ao ler cada página, identificava-me com as situações contadas, tal como se as estivesse vivenciado (o que como sabem seria de todo impossível, uma vez que nasci em Dezembro de 74), mas como todos os que me seguem sabem, sou fã dos anos 60 e 70 e adoro saber o que posso sobre estas épocas, ao ponto de me sentir com se tivesse vivido por esta altura!
Se tiverem curiosidade, podem visitar o cantinho do autor em
http://franciscosalgueiro.blogspot.com/.
Sem dúvida que gostei... será que este livro fez despertar novamente a minha vontade de ler e escrever novamente?

Jokas a todos...
Sandra C.